terça-feira, 13 de novembro de 2018

É amanhã: Primeira reunião do ciclo de palestras Tertúlias GR2D

O tema da primeira reunião do ciclo de palestras Tertúlias GR2D será a Integração da graduação em Engenharia Ambiental com o levantamento de dados em campo e capacitação de agentes locais de multiplicadores de planejamento em Saneamento Básico – relevância do plano municipal de drenagem urbana. 



O primeiro convidado será o Professor Dr. Renato Ribeiro Siman, do Departamento de Engenharia Ambiental da Universidade Federal do Espírito Santo.

O encontro acontecerá amanhã, dia 14 de novembro, às 15 horas na Universidade Federal do Espírito Santo, Sala 9A do IC2.


O convidado
Prof. Renato Ribeiro Siman é Engenheiro Químico formado pela UFRRJ com ênfase em meio ambiente, com mestrado e doutorado em Engenharia Hidráulica e Saneamento pela EESC/USP. Professor Adjunto do curso de Engenharia Ambiental da UFES, ministra disciplinas na graduação e pós-graduação e desenvolve pesquisa como na área de Saneamento e Gestão Ambiental. Chefe do Laboratório de Gestão do Saneamento Ambiental (LAGESA), cujo objetivo é desempenhar atividades de apoio na elaboração de políticas públicas relacionados ao saneamento ambiental. Atualmente o LAGESA elabora o Plano Estadual de Resíduos Sólidos do Espírito Santo (PERS-ES) e conta com a cooperação técnica das seguintes organizações: Associação dos Municípios do Estado do Espírito Santo; Ministério Público do Estado do Espírito Santo; Ministério Público do Trabalho no Espírito Santo; Secretaria de Saneamento, Habitação e Desenvolvimento Urbano do Estado do Espírito Santo; Fundação Espírito-santense de Tecnologia; Instituto para o desenvolvimento das micro e pequenas empresas e empreendedores individuais do Espírito Santo; e com o Sindicato Das Empresas de Reciclagem do Estado do Espírito Santo


O Ciclo de Palestras
O ciclo de palestras "Tertúlias GR2D - Compartilhando ideias sobre pesquisa e extensão na redução de risco de desastres" foi elaborado com o objetivo de promover o encontro e fomentar o debate acerca do papel estratégico da universidade para integrar as metas do Marco de Ação de Sendai 2015 – 2030 para a gestão de riscos e respostas a desastres no contexto de pesquisas e desenvolvimentos tecnológicos acadêmicos.

Próximos encontros:

21/11/2018
Convidado: Mj. Bmb. Anderson Augusto Guerin Pimenta - CEPDEC, CBM-ES
Tema: Defesa Civil e a gestão integral de risco de desastres: da prevenção a adaptação.
Horário: 15 horas
Local: Sala 9A (Andar térreo) - Prédio IC2

28/11/2018
Convidada: Profª. Drª. Andréa dos Santos Nascimento - Depto. de Psicologia, CCHN-Ufes
Tema: Contribuição da Psicologia na gestão das situações de emergências e desastres
Horário: 15 horas.
Local: Sala 9A (Andar térreo) - Prédio IC2.

segunda-feira, 12 de novembro de 2018

Tertúlias GR²D: Compartilhando ideias sobre pesquisa e extensão para Gestão de Risco de Desastres

O Laboratório de Gestão de Risco de Desastres (LabGR2D) – tem o prazer de convida-lo a participar do ciclo de palestras Tertúlias GR2D - Compartilhando ideias sobre pesquisa e extensão na redução de risco de desastres. Dá-se o nome de tertúlias às reuniões informais e periódicas durante as quais se juntam pessoas com interesses comuns para debaterem, trocarem informações e opiniões. É com esse mesmo objetivo que o projeto pretende promover o encontro e fomentar o debate acerca do papel estratégico da universidade para integrar as metas do Marco de Ação de Sendai 2015 – 2030 para a gestão de riscos e respostas a desastres no contexto de pesquisas e desenvolvimentos tecnológicos acadêmicos.



Com a expectativa de propiciar diálogos sobre pesquisa com grupos de toda a UFES e sua articulação para estudos que abordem o risco de desastres no Brasil, as Tertúlias GR2D buscam ressaltar a importância em proporcionar um momento de encontro entre docentes, discentes (de graduação e de pós-graduação) grupos de trabalhos e entidades da sociedade nos quais temas de relevância à gestão de desastres sejam apresentados.

O caráter informal da proposta das Tertúlias GR2D é o de encontros no formato de "roda de conversa", abertos e com teto de duração de 2 horas nos quais as tertúlias permitem fomentar a amizade, estreitar as relações sociais e enriquecer a cultura dos assistentes, garantindo assim presenças habituais às reuniões e sua pertença ao grupo. Considera-se que uma tertúlia de bom nível pode ser um excelente instrumento educativo, uma vez que a primeira coisa que se aprende nas mesmas é o sentido crítico e a tolerância para com as ideias alheias. Venham e participem também. 

Todos os encontros terão início às 15h na sala 9A, localizada no piso térreo do IC2.



Datas: 14/11/2018, 21/11/2018 e 28/11/2018
Horário: 15 horas
Local: Universidade Federal do Espírito Santo, Campus Goiabeiras - Prédio IC2 Sala 9A


segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Eventos: Exposição "Do Rio que era doce às águas do semiárido: Contradições do modelo mineral

A cidade de Salvador-BA receberá entre os dias 17 e 20 de outubro uma mostra e ciclo de debates sobre conflitos de mineração.


A exposição discute o modelo mineral brasileiro a partir do desastre/crime de Mariana e dos danos causados pela mineração na Bahia. Usando a arte para estimular o debate em torno do modelo mineral brasileiro, a exposição será aberta durante o Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão da UFBA - 2017, em Salvador, de 17 a 20 de outubro.

Local: Biblioteca Universitária Reitor Macedo Costa
Rua barão de Jeremoabo, s/n – Ondina – Salvador
Data: de 17 a 20 de outubro
Horário: das 09:00h às 20:00h
Evento gratuito.

Fonte e outras informações: Geografar UFBA.

quinta-feira, 5 de outubro de 2017

Software desenvolvido por pesquisadores do Cemaden amplia a precisão nos estudos sobre os riscos de deslizamentos

Desenvolvido por uma equipe multidisciplinar de pesquisadores na área de geodinâmica do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden) – unidade de pesquisa do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações – o software “Calamar” utiliza-se de algoritmos estocásticos (programação computacional para análise de dados) de inversão de dados geofísicos para definir diferentes parâmetros físicos das camadas geológicas. Também, permite a dedução da condutividade hidráulica, uma das propriedades físicas mais importantes na determinação do movimento da água em subsuperfície. Como característica adicional, o software permite o cálculo físico-matemático para Sondagens Elétricas Verticais e Sondagens de Polarização Induzida.
Com essa ferramenta, os dados sistematizados do software possibilitam maior precisão na estimativa do fator de segurança das encostas estudadas, aplicados no monitoramento para, posteriormente, aprimorar a emissão dos alertas de risco de deslizamentos de encostas ou de massa.
” O software permite a identificação de camadas geológicas por meio de métodos geofísicos (Eletrorresitividade e Polarização Induzida). Esta é a primeira etapa para prever a colocação de sensores de umidade em profundidade no solo.”, afirma o pesquisador Cassiano Bortolozo, da equipe Geodinâmica do Cemaden.
O pesquisador explica que,  com a identificação dessas camadas,  é possível realizar  estudos geotécnicos – com referência à resistência geomecânica e ao comportamento hidráulico – que permitirão realizar a modelagem de estabilidade das encostas. “Estes dados também auxiliarão na definição de locais para a instalação de sensores de umidade em áreas de risco, os quais serão integrados à rede de monitoramento de parâmetros ambientais deflagradores de deslizamentos.”, complementa Bortolozzo.
“ O ‘Calamar’  possui potencial para aplicação em outros processos naturais onde a informação sobre a constituição geológica e condutividade hidráulica são parâmetros efetivos de análise.” , informa o pesquisador do Cemaden, Marcio Andrade.
Desenvolvimento de projetos
Os pesquisadores do Cemaden que desenvolveram o software “Calamar” são das áreas de geofísica, geologia e engenharia civil (geotecnia), todos do grupo de pesquisa em geodinâmica.
A ferramenta foi desenvolvida em três meses de trabalho. Este tempo que pode ser considerado relativamente curto, deve-se pela participação na equipe de um especialista em geofísica com conhecimentos avançados. Além disso, hoje, com o ingresso de pesquisadores bolsistas, o grupo de geodinâmica está composto por uma equipe multidisciplinar incluindo pesquisadores da Universidade Estadual Paulista Júliode Mesquita Filho (UNESP), de São José dos Campos (Curso de Engenharia Ambiental). Essa abordagem permitiu maior diversificação de metodologias de estudo para o desenvolvimento de ferramentas e aplicações voltadas para a problemática dos movimentos de massa no Brasil.
Foram necessários cerca de dois meses para o registro de software pelo Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI).
A equipe de pesquisadores do Cemaden, com registro como titular e criador do “Calamar” são : Cassiano Antonio Bortolozo,  Laura Vanessa Lavalle,  Márcio Magalhães de Andrade, Mariana Benessiuti Motta,  Rodolfo Moreda Mendes e  Sílvio Jorge Simões (UNESP).
Essa mesma equipe está finalizando o registro de mais um software de visualização integrada de dados de chuva e umidade dos solos- Plataforma de Coleta de Dados Geotécnicos (PCDs GEO).
Fonte: Cemaden.

terça-feira, 3 de outubro de 2017

Defesa Civil-ES reúne municípios da Região Sul para discutir Erosão Costeira

Na última sexta-feira (29), o Governo do Estado por meio da Coordenadoria Estadual de Proteção e Defesa Civil, órgão integrante do Corpo de Bombeiros Militar do Espírito Santo, reuniu no auditório do Quartel do Comando Geral do CBMES, representantes das Coordenadorias Regionais e Municipais de Proteção e Defesa Civil da Região Sul do Estado, a fim de discutir assuntos ligados à erosão costeira que vem atingindo esta Região do Estado.



O evento reuniu Coordenadores Municipais e Regionais de Proteção e Defesa Civil e diversos outros servidores municipais e contou ainda com a presença do Subsecretário de Estado de Planejamento e Projeto Jader Mutzig.

No encontro, foram apresentados os critérios que deverão ser cumpridos pelos municípios para pleitearem a transferência de recurso fundo a fundo (repasse do Fundo Estadual de Proteção e Defesa Civil para os Fundos Municipais de Proteção e Defesa Civil).